Benvenuti

Questa è una comunità dei partecipanti del Circolo Emilia-Romagna di San Paolo - associazione collegata alla Regione Emilia-Romagna, in cui lo scopo è quello di mantenere il rapporto tra i suoi membri e la regione di origine. Questa comunità è un mezzo di comunicazione tra i nostri associati e un mezzo di promozione del nostro Circolo, della Regione Emilia-Romagna e delle sue province.



Esta é uma comunidade dos participantes do Circolo Emilia-Romagna de São Paulo - associação vinculada a Região da Emilia Romagna (Itália), cujo objetivo é manter o relacionamento entre seus membros e a região de origem.Esta comunidade é mais um meio de comunicação, onde lançamos oportunidades de bolsa de estudos e estágios para descendentes da nossa região, propomos e divulgamos atividades internas, nos conhecemos e interagimos com novos membros.



sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Quem foi Pellegrino Artusi?

Pellegrino Artusi nasceu em Forlimpopoli (Forli-Cesena) em 4 de agosto de 1829. Estudou no seminário de Bertinoro (Forli-Cesena) transferindo-se, posteriormente, a outra escola em Bologna, apaixonando-se então pela literatura clássica. Retornando à casa natal, ajudou seu pai na profissão de farmacêutico e, entre livros e remédios, viveu tranqüilamente até seus 30 anos.

Em 1851, a residência da família sofreu um violento assalto de criminosos locais. Em conseqüência deste episódio a família Artusi decidiu abandonar aquelas terras mudando-se, em 1852, para Florença. Imediatamente encontrou emprego em Livorno numa importante casa de comércio, e graças a seu aguçado tino comercial, fundou um banco, tornando-se rapidamente rico e famoso. Em 1870 retirou-se dos negócios para usufruir do fruto de seu trabalho, mas não do ócio, devotando-se à leitura dos clássicos italianos. Escreveu os livros “Vita di Ugo Foscoli”, em 1878 e “Osservazioni in appendice a trenta lettere di Giuseppe Giusti”, em 1880. Livros estes em poucas tiragens e que não tiveram repercussão no meio literário. Mesmo assim, anos mais tarde, se tornaria professor de literatura na Universidade de Florença.

Tomou gosto pela escrita elaborando “La scienza di cucina e l’arte di mangiar bene”, cuja
primeira edição foi publicada em 1891, em Florença, livro este que recolhia, por meio do contato com suas leitoras do jornal, um número de receitas que contemplavam a variação territorial particular de cada localidade e seus diversos dialetos. Ao contrário dos anteriores, este livro alcançou notável repercussão, não apenas enquanto receituário, mas também, e principalmente, como unificador da língua italiana.

Entre 1900 e a Primeira Guerra Mundial a Europa gozaria de notável crescimento econômico que repercutiria intensamente na Itália, como afirma Piero Camporesi: “do pão de milho passou-se àquele de trigo, que até então, era reservado aos doentes. A carne, nem que seja aquela de coelhos, já comparece com mais freqüência nas mesas camponesas”. A pelagra, doença causada pela falta de vitaminas, começa a desaparecer da Itália e de toda a Europa.

Mas o italiano, enquanto língua, ainda era uma raridade. Calcula-se que por volta de 1870, em uma população de 25 milhões de habitantes apenas 600 mil, ou 2.4% falavam a língua nacional. O restante da população falava uma quantidade incalculável de dialetos que podiam variar mesmo entre aldeias situadas a 10 ou 15 km de distancia. Em muitas das receitas de seu livro, Pellegrino Artusi se ocupou dessa mistura lingüística com observações e comentários que hoje soam engraçadas aos nossos ouvidos.

A obra de Pellegrino Artusi, particularmente no “La scienza in cucina e l’arte di mangiar bene”, é considerada importante principalmente pela difusão da língua italiana no território nacional. De fato, escrito em uma linguagem fluida, elegante e harmoniosa o livro se tornou familiar a várias gerações de italianos, exercendo uma presença preciosa e amiga: extraordinário exemplo de obra dinâmica e aberta que cresce com a coleta comunitária e dividida com o público que dela participa ativamente, sugerindo e criticando. O livro espalhou na casa dos italianos um modelo de língua florentina fresca e viva, mas ao mesmo tempo correta e controlada, sensível à tradição literária.

 “La scienza in cucina e l’arte di mangiar bene”, além de constituir um delicioso receituário, ainda hoje
universalmente conhecido, continua sendo uma âncora da tradição italiana do presente. Atualmente a obra se encontra na 62ª edição na Itália, com 450.000 cópias (dados de 2011) e foi traduzido para diversas línguas sendo que uma das traduções mais recentes (2009) foi para o português (tradução de Anabela Cristina Costa da Silva Ferreira - Associação Emiliano-Romagnola Bandeirante – Salto-Itu).

Neste livro as inesgotáveis cozinhas italianas foram inteligentemente combinadas e assim resgatadas para a criação de uma cozinha nacional ciosa de suas diversidades. Pode-se dizer que Pellegrino Artusi foi o criador da cozinha italiana contemporânea. Mesmo sem ter cozinhado qualquer coisa em sua vida, a natureza o tinha dotado daquela espontânea serenidade que aparece em sua agradável prosa e que ele doou a todos para viver tranquilamente, começando por ele mesmo: faleceu com mais de 90 anos, em Florença, a 30 de março de 1911.

Das várias citações encontradas no “La scienza in cucina e l’arte di mangiar bene” podemos destacar uma delas que, a nosso ver, resume a filosofia da obra de Pellegrino Artusi:

 “Não se vive apenas de pão; são necessários também os complementos; e a arte de torná-lo mais econômico, mais saboroso, mais sadio, eu digo e sustento, é uma verdadeira arte. Reabilitemos o sentido do gosto e não nos envergonhemos de satisfazê-lo honestamente, mas da melhor forma possível, como ela (a vida) nos dá os preceitos”.

Por: Annalisa Fazzioli Tavares - Diretora Social do Circolo Emilia-Romagna di San Paolo

Bibliografia e referências:
- Pellegrino Artusi – “La scienza in cucina e l’arte di mangiare bene” (prefácio da 32° edição-1929)
- Gabriel Bolaffi – “A Saga da Comida”  (1° edição – 2000)

Nenhum comentário:

Postar um comentário